Quando pensamos na operação de um condomínio, podemos comparar com a de uma empresa, ou seja, pode ser um tanto complexa. Além de itens básicos para o funcionamento de qualquer negócio, é preciso considerar alguns específicos como o controle de acesso de pessoas e veículos em áreas comuns, acionamento de alarmes e iluminação, controle de nível de caixas d’água, exaustores e por aí vai.

 

Mas não é só isso. É preciso levar em conta a exigência dos moradores por melhorias e redução de custos, tornando a gestão condominial, muitas vezes, um desafio.

 

Felizmente, já é possível descomplicar a operação do condomínio tornando-a mais automatizada e inteligente com apenas um equipamento capaz de integrar várias funcionalidades: uma placa controladora multifunção.

 

 

 

 

Funcionalidades integradas em um dispositivo deste tipo:

 

 

  • Interfonia

 

Atua como uma central telefônica IP completa para comunicação entre interfones e portaria (inclusive para portaria remota). Além das funções de chamadas, permite encaminhamento de chamadas para telefones externos fixos ou celulares caso a ligação não seja atendida pelo apartamento, entre outras facilidades.

 

 

 

  • Controle de Acesso

 

É um sistema completo para gerência de controle de acesso de portas, portões e veículos. Possibilita cadastrar e dar permissão a usuários e permite tirar relatórios de uso. Além disso, pode integrar leitores Wiegand de terceiros.

 

 

 

  • Automação

 

Possibilita a criação de estratégias para o funcionamento de portas, motores, bombas, lâmpadas, abertura de lixeiras, clausuras, exaustores, entre outros. Através da leitura de sensores como de iluminação, posição, barreira e presença permite monitoração à distância e operação de regras de controle automáticas.

 

 

 

  • Controle Veicular

 

Permite controle de acesso de veículos, integrando ainda leitura de controles remotos, laços indutivos, sensores de barreira, leitores de tag RFID veiculares constituindo uma verdadeira central veicular.

 

 

 

  • Alarmes

 

Podem ser criadas zonas e áreas de alarmes. Os sensores podem ser via RF433MHz, ou seja, completamente sem fio. Os alarmes são programados para acionar uma saída física, facilitando a identificação de problemas através de uma sirene, iluminação específica ou ainda através da integração com outros sistemas por uma API aberta.

 

 

 

 

Fonte: http://utech.com.br/site/blog/