Imagem de: '4G Para Estudar' garante acesso à web para alunos carentes

 

 

Uma campanha realizada por cursinhos pré-vestibulares comunitários está em busca de recursos para pagar o acesso à internet para milhares de estudantes brasileiros carentes. O projeto 4G Para Estudar tem como público-alvo os alunos que estão com a preparação para o Enem prejudicada devido à paralisação das aulas presenciais e à impossibilidade de estudar online.

 

 

A meta inicial era de conseguir R$ 100 mil para comprar pacotes de internet móvel para mais de 2 mil estudantes, valor obtido em menos de 12 horas após o lançamento da campanha. Agora, os organizadores querem arrecadar R$ 350 mil, para atender a mais 5 mil alunos negros e da periferia sem acesso à web.

 

 

De acordo com os responsáveis pela projeto, a pandemia do novo coronavírus evidenciou ainda mais a desigualdade de acesso à universidade pública. Com o fechamento das escolas e a opção pelas aulas online, os estudantes de famílias mais pobres que não possuem conexão em casa nem mesmo computador passaram a ver o ingresso no ensino superior cada vez mais distante.

 

 

Há várias opções de valores para quem quer contribuir.

Há várias opções de valores para quem quer contribuir.

Fonte: 4G para estudar/Reprodução.

 

 

Com o dinheiro arrecadado, os organizadores do 4G Para Estudar querem reduzir essa desigualdade, fornecendo internet móvel para que os estudantes voltem a se preparar adequadamente para o Exame Nacional do Ensino Médio.

 

 

Como doar?

 

 

As doações para o projeto 4G Para Estudar estão sendo recebidas por meio do site https://www.4gparaestudar.org.br/. É possível contribuir com valores entre R$ 20 e R$ 1 mil.

 

 

No caso da quantia mínima, o valor é suficiente para adquirir dois chips para estudantes carentes, enquanto a mais alta proporciona conexão a uma turma inteira. Foram arrecadados R$ 312.380 até o momento em que redigimos este texto.

 

 

O grupo responsável pela campanha é formado por instituições de ensino comunitário de vários estados, como a Rede Ubuntu de Educação Popular, Pré-Vestibular Comunitário Carolina de Jesus, Uneafro e Pré-Vestibular Solidário, entre outras.

 

 

 

 

 

Fonte: https://www.tecmundo.com.br/mercado/154101-4g-estudar-garante-acesso-web-para-alunos-carentes.htm